abc@abccoaching.com.br
(11) 98832-2756

Como o Coaching pode contribuir para melhor qualidade de vida no trabalho?

É muito provável que você conheça alguém que trabalhe numa empresa onde a cobrança de resultados e a pressão da chefia seja algo permanente, talvez você conheça também algum empresário que vive dizendo; “Se quiser algo bem feito, faça você mesmo” ou “Meus funcionários nunca estão satisfeitos com nada”, caso você não se identifique ou não conheça tais expressões citadas acima, acredite, elas existem!
Percebo que mais de 70% das pessoas (funcionários ou empresários) que me procuram referente ao trabalho de consultoria e de coaching chegam com estas reclamações. O engraçado disso tudo é que tanto o funcionário quanto o empresário geralmente sentem as mesmas coisas; cansaço, stress, mau humor, desânimo, sentimento de realização cada vez menor e algumas necessidades também em comum, como por exemplo: administrar melhor o tempo, melhorar a organização, criar um planejamento mais eficaz, melhorar a organização, saber delegar, saber dizer não, dentre outros. Mas a pergunta que não quer calar; “Como resolver isso?”
Bom, primeiramente gostaria de explicar o que é Coaching e a principal diferença entre Coaching e Consultoria.
Coaching é uma das profissões que mais crescem atualmente, de uma forma bem resumida podemos dizer que é um trabalho de desenvolvimento pessoal e profissional, é um processo não diretivo (não há aconselhamento), pois todos os recursos estão dentro de cada pessoa, dura em média 10 sessões onde é bastante trabalhado o autoconhecimento e os objetivos que o cliente já têm ou que queira descobrir, já a consultoria existe a diretividade, ou seja, o profissional é um especialista e ajuda na resolução dos problemas, dizendo o quê e como fazer.
Para responder a pergunta de como resolver essas insatisfações, cito um pensamento do ilustre Albert Einstein; “Não há nada que seja maior evidência de insanidade do que fazer a mesma coisa dia após dia e esperar resultados diferentes”, outro ponto muito interessante é acreditar que não podemos e nem devemos mudar o outro e sim a nós mesmos. Se o seu chefe é muito irritado ou muito exigente, uma coisa que você precisa ter em mente é que a probabilidade dele mudar é baixíssima e quando esperamos que o outro mude estamos ao mesmo tempo colocando a responsabilidade da mudança no outro e desta forma vamos entrando numa terrível zona de conforto. Quando se deparar com situações como essa pergunte a si mesmo; Quais opções eu tenho? Comece a listar e verá que tem muitas opções.
Quer ver como existe várias opções na reclamação sobre o chefe? A pessoa pode ter opção de tratá-lo de outra maneira, de pedir para mudar de setor ou departamento, de procurar um novo emprego, de conversar e alinhar as expectativas, de refletir para ver se está entregando o serviço com qualidade, só aqui citamos cinco opções, que dependem da pessoa fazer e não do outro.
Outro exemplo é quando gestor que diz que os funcionários nunca estão satisfeitos, mas será que ele sabe quais as necessidades deles? Não adianta dar um prêmio em dinheiro para motivar um funcionário se o que ele queria na verdade era um “Parabéns”, ou seja, um reconhecimento, cada pessoa é diferente da outra tendo suas próprias necessidades, sendo que a desmotivação vem de uma necessidade não suprida, por isso é importante se comunicar de forma clara e aberta, conhecer a equipe, dar e receber feedbacks, da mesma forma citada acima, perguntar a si mesmo quando estiver diante de um desafio; O que eu posso fazer de diferente? Quais opções eu tenho?
Hoje se fala muito sobre pressão no ambiente de trabalho não só para os funcionários quanto aos empresários também, mas condenar a pressão é ser vítima da situação. Já ouvimos muito falar sobre QI (quociente de inteligência), QE (quociente Emocional) e hoje em dia se fala muito sobre QA (quociente de adversidades), ou seja, como você lida com a pressão, com as adversidades do dia a dia? O quanto resiliente você é? Um grande exemplo de resiliência é a vara utilizada em atletismo, você olha para ela quando o atleta a coloca em contato com o solo, e a cada momento parece que vai quebrar, mas toda aquela carga recebida é que a faz superar o obstáculo, ser resiliente é uma qualidade, uma competência necessária nos dias de hoje.
Uma dica?
Troque do seu vocabulário a palavra “problema” por “DESAFIO”, e cada vez que se deparar com um, pergunte a você mesmo; O que eu posso aprender com essa situação? Como posso usar meus pontos fortes e qualidades para superá-lo?
As adversidades devem ser agradecidas todos os dias, pois sem elas não haveria desenvolvimento do potencial humano.
Muito sucesso para você!!!